Detox digital: por uma relação mais saudável com a tecnologia

Um tempo atrás eu fiz um post sobre tecnologia e produtividade, no qual eu disse que essa correlação era um dos temas que mais me interessava dentro da área de produtividade pessoal, principalmente porque a tecnologia é parte intrínseca da nossa vida e é praticamente impossível abrir mão dela; e mesmo que fosse possível eu não acredito que seria uma boa ideia.

Isso porque a tecnologia de forma geral, se bem usada, facilita muito nossa vida: a internet, por exemplo, é uma ferramenta indiscutivelmente útil para se comunicar, aprender, se divertir e muito mais. O ponto não é a tecnologia em si, e sim o uso que fazemos dela.

Naquele mesmo post eu falei sobre o conceito de detox digital: um processo no qual avaliamos nossa relação diária com a tecnologia e redefinimos a forma como a usamos, eliminando o que nos prejudica e potencializando o que traz benefícios. Ou seja, nos livrando de tudo que é inútil e aproveitando melhor o que tem valor e faz bem.

Na época em que escrevi aquele texto, eu me propus a fazer esse processo de detox. Eu nem acho que minha relação com a tecnologia seja muito problemática, mas sempre há algo que se pode melhorar, não é? Além disso, pensei que seria uma boa experiência para compartilhar por aqui.

Mas aí veio o corona vírus, a necessidade de ficar em casa e toda uma mudança na nossa relação com o online. Para muitos, a comunicação via internet deixou de ser uma escolha e passou a ser a única opção. Eu mesma, só tenho conversado com meus amigos dessa forma desde março. Se não fosse a tecnologia, eu não poderia manter esse contato. Então, como avaliar com clareza minha relação com a tecnologia quando eu estava usando-a mais do que nunca?

Então, o momento em que eu tinha intenção de fazer esse detox digital coincidiu com o momento em que a grande maioria das pessoas passou a estar online muito mais do que antes: para trabalhar, para estudar, para comprar, para se comunicar, para se divertir. Como fazer esse processo se todos pareciam estar ainda mais dependentes da tecnologia?

mesa com notebook computador celular tablet

Foto de Domenico Loia em Unsplash

Nesse contexto, aconteceu algo muito compreensível e de fácil explicação: o cansaço mental por conta do uso excessivo de tecnologia. Eu até compartilhei um texto sobre isso na fanpage do blog tem um tempinho. É uma situação até previsível, considerando que, como a necessidade do uso da internet aumentou, logo todo mundo passou a usar muito mais e a consequência óbvia é a saturação, afinal nada em excesso faz bem. Mas como fugir dessa situação, sendo que a necessidade intensa do uso da internet ainda permanece? Eu ainda estou em casa (e espero que vocês também possam estar e estejam), então não posso simplesmente abrir mão do online, apesar de me sentir cansada.

É preciso dizer que eu trabalho home office já há um bom tempo, então eu já tenho o hábito de trabalhar grande parte do meu tempo usando a internet. Mas de uma hora para outra, eu encerrava o expediente e continuava online para fazer outras coisas que eu normalmente faria offline: conversar com amigos, me distrair, fazer compras. Como manter esse uso necessário mas sem me sentir tão cansada? A resposta: detox digital.

Esse post então é para contar como está sendo processo, como eu tenho buscado formas de lidar melhor com a tecnologia já que agora parece ainda mais impossível abrir mão dela ou mesmo diminuir o uso. É um apanhado geral de atitudes que eu já tinha ou que passei a ter para gerenciar melhor a forma como a tecnologia, especialmente a internet, faz parte da minha vida.

Começando como algumas coisas que eu já faço há um bom tempo. A primeira, e que eu já falei sobre algumas vezes: desativar notificações. A maiorias das pessoas não percebe o quão dependente é das notificações de novas mensagens e o quanto isso toma tempo. Até pouco tempo atrás, apenas as notificações do meu whatsapp ficavam ativadas e atualmente elas estão desabilitadas também. Como eu já expliquei aqui, tenho blocos de respostas, que são momentos que eu tiro ao longo do dia apenas para responder e-mails e mensagens. São blocos de mais ou menos 20 minutos, de 2 a 3 vezes por dia. Claro que não é algo inflexível. Às vezes passo um bom tempo trocando mensagens com amigos e familiares, se eu sentir vontade ou se alguém precisar conversar. Mas não é o padrão.

Isso é especialmente importante considerando que o volume de mensagens aumentou muito, já que hoje é a principal forma de comunicação. E, a bem da verdade, a maioria dessas mensagens não me agregavam em nada. Claro que eu ainda converso praticamente todos os dias com alguns amigos e respondo diariamente mensagens de trabalho, mas o foco é esse. Percebem? Eu uso as ferramentas de comunicação (seja e-mails ou mensagens) para fazer o que é importante pra mim: conversar com amigos que não posso ver pessoalmente e resolver coisas de trabalho. Sabe aqueles grupos com pessoas que você mal conversa ou que são só de assuntos pouco importantes? Dou uma olhada rápida uma vez por semana e só.

Aqui também entra a questão do volume de informação consumida. Com a situação atual é normal querer se manter informado, mas você não precisa ler 10 sites de notícias para isso e nem verificar as novidades de hora em hora. Cuidado com o excesso de informação. Selecione bem suas fontes. Eu verifico as notícias apenas uma vez por dia e me atenho a 1 ou 2 sites e alguns poucos perfis específicos nas redes sociais.

mesa de trabalho notebook tablet celular cade fone

Foto por Pixabay em pexels.com

Ainda relacionado a isso, em certo momento da quarentena eu entrei em uma onda de fazer mil e um cursos online, assistir todos os workshops disponíveis, participar de várias vídeo conferências com amigos. Resultado: além não dar conta, fiquei cansada. A dica é a mesma: selecione o que vai consumir. Não se sobrecarregue. Ainda continuo com meus cursos, mas só começo um novo quando termino o anterior. Seleciono os workshops e lives que vou assistir, não preciso ver tudo. E apesar de adorar conversar com meus amigos, não faço mais “encontros virtuais” em sequência. E o mesmo vale para reuniões de trabalho: se presenciais já tendem a ser cansativas, online podem ser ainda mais desgastantes, especialmente para quem não tinha esse hábito.

Outra coisa que eu tenho buscado é ter momentos offline. Antes da pandemia, vi várias recomendações de especialistas sobre tirar um dia da semana para ficar totalmente longe das telas. Não ligar o computador, deixar o celular guardado, não assistir nem TV. Na situação atual não sei se isso seria possível ou mesmo recomendado, mas é sempre bom ter pelo menos alguns momentos assim.

O que eu tenho buscado é mudar a forma como eu faço algumas coisas, para conseguir esses momentos offline. Por exemplo, tem feito mais chamadas de voz com meus amigos, no lugar das ligações de vídeo. Assim, posso colocar o fone de ouvido e conversar enquanto estou na varanda olhando pra rua e tomando um chá, por exemplo. É mais agradável e menos cansativo. Também tenho buscado ler menos e-books e mais livros físicos. Eu sempre gostei mais de livros físicos mesmo, mas me rendi aos e-books pela praticidade. Porém, para descansar os olhos das telas, voltei para os livros físicos e tem sido muito bom. Outra coisa que estou querendo é comprar aqueles jogos antigos de tabuleiro: jogo da vida, war, banco imobiliário, detetive. Quem lembra? Eu jogava muito quando era criança e acho que é uma ótima opção de diversão offline. Tenho pensado em comprar quebra-cabeças também.

Outras dicas simples que podem ajudar:

  • evite usar o celular assim que acorda.
  • reduza o número de aplicativos. Muitas vezes temos vários aplicativos para a mesma função, o que é desnecessário.
  • ajuste as configurações de brilho da tela do celular/computador para forçar menos os olhos.
  • desinstale programas e aplicativos que não são usados.
  • na hora das refeições, deixe o telefone de lado. Se você tem companhia, aproveite a presença das pessoas.
  • estipule um limite de tempo para as redes sociais e jogos online.

Para terminar, a reflexão é uma só: todas essas dicas tem o objetivo único de permitir que você gerencie a forma como usa a tecnologia, tendo consciência de quanto tempo permanece online e fazendo o quê. Ter essa consciência é que faz com que você consiga usar de forma saudável e equilibrada, para ajudar e trazer benefícios e não te deixar mais cansado e estressado.

Até mais,

Juliana Sales

19 comentários sobre “Detox digital: por uma relação mais saudável com a tecnologia

  1. Oi, Juliana. Tudo bem?
    Excelentes dicas as suas. Realmente, na atual situação em que estamos, é difícil ficar menos online do que antes, mas arrumar certos “escapes” da vida online ajuda bastante! Eu tenho evitado o celular constantemente, e realmente está funcionando! Assim como as notificações dos apps, que ativo só de vez em quando. E o computador, uso mais para assistir palestras, fazer cursos e jogar meus jogos offline mesmo (como The Sims). Uma coisa também que ajuda no detox em tempos de pandemia e quarentena e manter uma rotina, mas sem muitas cobranças, e nela definir atividades fora do espaço virtual, como ouvir música, ler um livro ou praticar exercícios que já sabemos o “passo a passo”.
    Enfim, parabéns pelo post e pela iniciativa de passar essas dicas.
    Beijinhos e bom restinho de semana.

    Curtido por 1 pessoa

    • Oi Bells! Eu também tenho tentado deixar o celular um pouco de lado, tenho centralizado minhas atividades no computador e quando saio de lá evito usar o telefone, a não ser pela função tradicional: fazer ligações. E sim, a rotina ajuda muito. Se eu normalmente já não abro mão da minha, agora isso tem sido mais útil ainda. E você me lembrou da existência do The Sims, faz muito tempo que não jogo!

      Curtido por 1 pessoa

  2. Realmente é difícil, hoje uso a internet para tudo, mas, tenho reservado um tempinho para desligar tudo e obrigar minha filha a fazer o mesmo, já que as aulas agora são via internet, trabalho em grupo e até festa do pijama…Notificações estão desabilitadas, se for algo muito importante as pessoas mais próximas sabem que devem ligar, e assim seguimos…
    Abraços

    Curtido por 1 pessoa

    • Eu acho que isso de desativar as notificações ajuda tanto. E agora, que estamos fazendo online tantas coisas que antes eram offline, é ainda mais importante estar atento a isso.

      Curtir

  3. Dicas valiosas, como sempre. Eu já uso duas das que você passou que são deixar o celular de lado durante as refeições e passar menos tempo em jogos online. Esse último eu quase não faço mais. Agora, quero cortar o uso do celular assim que acordo, pois é um vício que ainda tenho.

    Curtido por 1 pessoa

    • Que bom que gostou, Gustavo. Eu acho que deixar de usar o celular assim que acorda faz toda a diferença. E é um hábito, sabe, dia após dia você fica atento a isso e quando vê o hábito se consolidou.

      Curtir

  4. Algumas das suas dicas eu já tinha o hábito de seguir, antes mesmo de começar a pandemia, como desligar as notificações, acessar 1 ou 2 sites de notícias e diminuir o brilho da tela, isso já ajuda muito. Engraçado é que com o necessário uso da tecnologia que estamos vivendo com a chegada do corona, hábitos antigos estão voltando, como a vontade de jogar jogos de tabuleiro, como vc citou, é um paradoxo curioso até.

    Curtir

    • Eu fico feliz de saber que muita gente já mantém as notificações desativadas, Patrícia, porque é algo que eu sempre falo por aqui e que realmente faz a diferença. E é muito interessante isso que você falou, da volta a hábitos antigos. Penso que o excesso do digital, do online, que se impôs em vista da sua situação, tem trazido essa necessidade do analógico, do offline. Esses dias meu noivo, que é 100% digital, estava fazendo anotações a mão em um caderno. Disse que estava ajudando ele a pensar melhor. Concordo que é sim um paradoxo, mas talvez até seja natural para buscar um equilíbrio e administrar melhor o excesso do online.

      Curtir

  5. Que ninguém conhecido me leia, mas quando posso, desligo a câmera nas reuniões do trabalho/do partido/aulas on line e pego algum desenho para pintar com lápis de cor enquanto as pessoas falam – Deixo um papel em branco ao lado e vou parando de pintar para anotar o que me parece importante. Sei lá, é uma forma de não olhar tanto para o computador, sei que em muitos casos isso não é possível, mas tem sido útil. Sobre informações, estou deixando de seguir amigos que não me seguem de volta no instagram, pois percebi que é uma via de mão única – Eles postam conteúdos que muitas vezes nem me interessam, eu curto por educação e quando percebo, estou inundada do que não me acrescenta nada e perdendo de ver coisas que realmente me interessariam, então estou tirando meia hora por dia para essa limpeza. Já havia desabilitado as notificações de redes sociais e isso foi muito estranho no início, mas depois foi um alívio. Aplicativos só estou usando um de controle de calorias e horas de atividade física (já veio instalado no celular), o duolingo pra treinar idiomas, o forest pra bloquear o celular por algumas horinhas, os apps bancários/de cartão de crédito (necessários nessa pandemia), o de mobilidade urbana e o metrônomo pra quando vou estudar, além das redes sociais (Noon App, Face Lite e Instagram) e do gerenciador de páginas do Face e do Blog. Já acho muito, mas não sei como faria algumas coisas sem eles… Vou tentar começar esse “dia desconectado” ou pelo menos estipular horas desconectadas no meu dia – Acho que testarei ambas as coisas pelas próximas semanas.

    Abraços!

    Curtido por 1 pessoa

    • Interessante isso que você faz Darlene, de desviar da tela e usar o papel. Acho ótimo porque, além de descansar os olhos da tela, rabiscar/desenhar ajuda a limpar a mente, ao mesmo tempo que anotar no papel o que for importante contribui para o entendimento e memorização. Achei legal isso que você falou do Instagram se uma troca e já pensei em fazer essa limpa no meu perfil pessoal, mas tenho usado ele tão pouco, fico mais no do blog, então acho que nem valeria o tempo gasto. E sim, tem alguns app que realmente são indispensáveis, por exemplo, os bancários, que facilitam demais a vida.

      Curtido por 1 pessoa

  6. “[..] eu entrei em uma onda de fazer mil e um cursos online.”, SIIIIIMMM eu também! Tô pra fazer vários cursos online kkkkkkk. Antes eu tava fazendo Direito Ambiental, depois passei pra Redação Oficial, agora tô fazendo inglês e depois vou fazer Desenho/Mangá ❤❤❤❤❤ Amei o post. Esse tempo de quarentena tá me fazendo uma pessoa um pouquinho mais organizada kkkkkk.

    Curtido por 1 pessoa

    • Curso online é um caminho sem volta, Matheus! Não sei você, mas eu gosto muito de estudar e tenho interesse nos mais diversos assuntos, então têm sempre algum curso que estou querendo fazer.

      Curtir

  7. Que conteúdo interessante e relevante a se retornar, Ju! Tudo bem?
    Olhe, vcs têm visto que eu tenho escrito. Muito do meu trabalho, assim como o seu, acaba se resumindo a rede social. Há momentos em que me sinto cansada mentalmente, muitas vezes até emocionalmente. Não é sempre, mas quando dá, desligo o wi-fi. Muitas vezes ouso e desligo o celular. Principalmente quando não posso me dispersar, o que admito que aconteça facilmente comigo e acho que com muita gente, não é?! Então, para ter foco e produzir mais, me coloco na condição de sumir das redes sociais sempre que necessário. Bjs

    Curtido por 1 pessoa

    • É bem como você descreveu Ana, o meu trabalho tem muito do online e quando não, ainda tenho que estar na frente do computador, mesmo que offline. E sim, é muito cansativo, de todas as formas. Desligar totalmente o celular ainda não consigo, porque uso muito pra falar com minha mãe, mas tenho tenho valorizado ainda mais os momentos longe das telas. E quanto as redes sociais, elas são o motivo principal de distração e procrastinação, as vezes precisamos desabilitar/desconectar tudo para melhorar o foco nas tarefas.

      Curtir

  8. Oi Juliana, tudo bem? Eu gosto muitissimo de visitar o seu blog, sempre econtro dicas valiosas para aumentar minha produtividade. Esse ano adotei o metodo de desligar os celular no fim de semana, poucas vezes fico com a internet ligada, sinto que preciso ficar desligada das redes sociais e da tecnologia para recarregar as minhas energias.

    Curtido por 1 pessoa

    • Oi Viviane, fico feliz que goste de me visitar por aqui! E eu concordo muito que se afastar um pouco é essencial, estar o tempo todo conectado cansa demais, mesmo que seja por lazer. Por isso acho tão importante buscar esse equilíbrio!

      Curtir

  9. Boa noite Juliana,

    Eu nunca fui muito fã da realidade virtual, mas me rendi nessa pandemia. Dou aulas, faço reuniões. Confesso, no entanto, que assim que eu posso:desligo tudo. Sem o menor pudor. Eu estou aproveitando bastante o virtual profissionalmente e não sei se voltarei a realidade nas muitas atividades que faço. Provavelmente não. rs
    Facilitou bastante, mas como eu disse, assim que posso: escapo. Eu gosto da realidade e preciso dela. Sinto falta das caminhadas e do cenário das ruas. A minha escrita precisa disso também. Mas, por enquanto, só aprecio a cidade da minha janela.
    Adoro cozinhar, conversar com o mio amore, ver filmes e séries e não estar sempre por dentro das coisas do mundo. Meu celular é uma ferramenta de trabalho e é bastante util, mas não sou dependente dele. Para ser sincera, às vezes, o esqueço pelos cantos e sem bateria vira uma caça ao tesouro. E rolamos de rir por aqui. O problema são os contatos que surtam com a demora. Mas, eu sempre aviso… se eu demorar a responder é porque estou ocupada ou não faço idéia de onde esta o celular. rs

    bacio

    Curtido por 1 pessoa

    • Isso que você descreveu é perto do que eu acho o ideal, Lunna. Usar a tecnologia para facilitar e não se tornar dependente dela. Acho muito legal ver na prática alguém que tenha essa relação saudável com a tecnologia. Porque eu mesma ainda tenho alguns pontos que poderia melhorar. Sei que meu lazer ainda tem muito do online (Netflix que o diga!) e não posso nem pensar em ficar com o telefone desligado porque é meu meio de contato principal com a minha mãe, já que não posso vê-la todos os dias como fazia antes da pandemia. Enfim, sigamos buscando equilibrar tudo isso, cada um da melhor forma pra si.

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s