27 sugestões de coisas para você destralhar

Mês passado eu publiquei um post aqui no blog propondo uma reflexão sobre o processo de destralhar. E eu recebi um retorno muito legal, de algumas pessoas me contando que conseguiram ter uma visão mais ampla sobre o destralhamento e até entender melhor a sua importância. E junto com esse feedback vieram também algumas perguntas de pessoas em dúvida sobre como saber o que elas deviam destralhar e o que deviam manter.

E eu achei muito curioso receber esse tipo de pergunta por que a resposta é totalmente pessoal. Cada um precisa decidir por si o que gostaria de manter consigo e o que pode desapegar, baseando-se em critérios próprios, sobre como se sente em relação as coisas, como é o uso, qual a importância, etc.

Por outro lado, eu entendo que quem se dispõe pela primeira vez a fazer esse processo, pode se sentir perdido, completamente indeciso sobre como definir o que pode ser descartado e o que vai ser mantido. Daí surgiu esse post.  

Eu continuo dizendo que a decisão é sempre pessoal. Não existe regra para dizer se algo deve ser guardado ou pode ser desapegado. No entanto, podemos usar alguns critérios gerais baseados no bom senso. Por isso esse post é de sugestões: se fizer sentido para você, ótimo! Aproveite as dicas. Se não, tudo bem. Defina seus próprios critérios.

Para mim, funciona o critério geral: eu tento manter o que é útil, que eu uso com frequência, que tem algum valor sentimental ou importância emocional. Citando Marie Kondo, pergunte a si mesmo: “isso me traz alegria?”. Se sim, guarde. Se não, descarte.

E lembrando que quando falamos de desapegar, não estamos falando necessariamente de jogar fora, ir para o lixo. Muita coisa podemos doar, vender ou dar de presente para alguém, o que não é útil para você pode ser útil para outras pessoas. E mesmo quando for para o lixo, busque descartar da maneira correta, separando o que é reciclável e dando o destino adequado para itens específicos (medicamentos, pilhas e baterias, por exemplo, não devem ser jogadas no lixo comum).

mesa e parede branca relogio na parede luminaria branca planta em um vaso brancoFoto de Samantha Gades em Unsplash

Vamos ver então uma lista com sugestões de coisas para você desapegar. Como no post sobre destralhamento eu separei o processo em categorias, vou seguir aqui o mesmo padrão.

Itens materiais

1. Objetos de decoração que você não gosta mais ou itens de coleção que não mais te interessam. (Eu, por exemplo, costumava usar flores artificiais na decoração. Agora não gosto mais, só quero plantinhas de verdade! rs)

2. Utensílios de cozinha: copos, pratos e talheres que nunca são usados. Eletrodomésticos que nunca saíram da caixa ou que você só usou uma ou duas vezes. Itens velhos, quebrados, potes sem tampa, rachados. (Eu tenho muitos potes de plástico, vocês também?).

3. Alimentos vencidos ou estragados (despensa, armários, geladeira).

4. Roupas: que não usa há pelo menos 1 ano; que não servem mais ou que precisam de conserto (decida se vai arrumar e manter ou doar); aquela blusinha que comprou e nunca usou ou que ganhou de presente mas não tem nada a ver como você; meia sem par, meia calça desfiada.

5. Acessórios: bolsas que não usa; sapatos que machucam, incomodam ou você não gosta mais; cintos, lenços e cachecóis esquecidos no fundo do armário; bijuterias estragadas, quebradas ou que não combinam mais com seu estilo. 

6. Produtos de beleza: skin care, cabelos, maquiagem, esmalte. Jogue fora se estiver vencido ou doe se você não usa mas está em bom estado.

7. Medicamentos vencidos (verifique a forma correta de descarte. Geralmente farmácias têm recipientes para recolher esse tipo de produto).

8. Roupas de cama, mesa e banho: pouco usadas, velhas, rasgadas.

9. Papelada: manuais, garantias expiradas, recibos, comprovantes de pagamento. Veja nesse post por quanto tempo cada tipo de papel deve ser guardado.

10. Material escolar antigo, livros didáticos. (Eu guardei durante muito tempo cadernos antigos da época da escola, da faculdade, livros e apostilas. Me livrei de quase tudo, mantive apenas alguns poucos livros técnicos e algumas coisas digitalizei).

11. Agendas antigas. (Essas eu ainda guardo, especialmente os diários. Admito que tenho apego sim! rs)

12. Livros: comprados à muito tempo e que nunca foram lidos. Que não servem para consulta e você não pretende reler. (Aqui também eu raramente desapego. Mas por outro lado, sou bem criteriosa com os livros físicos que escolho para fazer parte da minha pequena biblioteca).

13. Aparelhos eletrônicos e eletrodomésticos que não são usados ou estão quebrados, incluindo fios e cabos. Aparelhos antigos de celular (verifique a forma correta de descarte), pilhas, baterias.

mesa minimalista computador plantaFoto de Jessy Smith em Unsplash

Ambiente digital

14. Arquivos em geral: rascunhos; arquivos antigos, desatualizados ou inúteis; arquivos duplicados.

15. Fotos e vídeos (no computador e no celular): duplicados ou de má qualidade (fotos repetidas, tremidas, desfocadas). Preste atenção na pasta onde ficam os arquivos recebidos pelo Whatsapp: a maior parte do que está ali é inútil.

16. Programas não utilizados.

17. Aplicativos não usados ou com funções semelhantes.

18. Caixa de entrada de e-mails: e-mails já respondidos, referentes à assuntos já concluídos, e-mails que demandem ação (anote na lista de tarefas/próximas ações), assinaturas de newsletters que você nunca lê ou propagandas que não te interessam.

Sua mente

19. Hábitos ruins.

20. Metas que não fazem mais sentido, que não fazem mais seu olho brilhar.

21. Projetos abandonados, nos quais você perdeu interesse.

Coisas a fazer

22. Reuniões desnecessárias.

23. Cursos que não agregam.

24. Hobbies que não te fazem feliz.

25. Compromissos que não te interessam.

26. Tarefas que não contribuem para seus objetivos ou não fazem parte dos seus projetos.

27. Tarefas que podem ser delegadas (aprenda a delegar!)

decoracao minimalista minimalismoFoto de John Mark Arnold em Unsplash

Como eu disse antes, essa lista traz apenas sugestões. Veja como lembretes de coisas que você pode querer dar uma olhada durante o processo de destralhe e analisar se quer descartar ou não. E lembre-se que não é preciso ser radical: se você tem alguma coisa completamente inútil, mas que tem valor sentimental para você, tudo bem guardar. Eu citei lá em cima que eu gosto de guardar minhas agendas e diários antigos. Tenho caixas de fotos antigas, álbuns, que a maioria das pessoas já teria digitalizado e descartado, mas gosto de mantê-las. Tenho uma meia dúzia de coisas que mantenho apenas porque ganhei de presente de pessoas especiais. 

No final das contas é tudo uma questão de combinar seu critério pessoal com uma dose de bom senso. E destralhar não é só sobre jogar as coisas fora: é mais sobre abrir espaço para o novo, sobre ter mais tempo e espaço, sobre não deixar que o que tem valor se perca em meio a um monte de coisas desimportantes.

Em tempo, antes de finalizar o post. Apesar de ter citado a Marie Kondo ali em cima e de achar a metodologia dela bem interessante, uma das coisas que eu não concordo é quando ela diz que é preciso destralhar tudo de uma vez. Eu acho que é super válido destralhar um pouco por vez, no seu ritmo, até porque muitas vezes é inviável (por uma questão de tempo e mesmo emocional) se livrar de toda a tralha de uma vez só. Além de que eu acredito muito que destralhamento é um hábito que você adquire, uma habilidade. Uma vez que você assimila o conceito, passa a fazê-lo diariamente, o tempo todo, como parte da sua rotina.

Então me conta: o que você vai destralhar por aí? 

Até mais,

Juliana Sales

 

6 comentários sobre “27 sugestões de coisas para você destralhar

  1. O destralhe digital é um desafio pra mim. Paciência 0 de olhar arquivos e fotos na tela… Pior que, com o final da campanha eleitoral, estou com muito material que utilizamos nas redes sociais, artes, artigos, fotos… Preciso separar vinte minutos por dia para fazer esse processo aos poucos…
    Também guardei por muito tempo meus cadernos, provas, livros didáticos. Hoje ainda tenho livros didáticos por achar divertido resolver questões (principalmente matemática). Tenho o hábito de destralhar e é muito bom – Semana passada troquei um urso de pelúcia por alguns livros que eu queria ler.

    Abraços

    Curtido por 1 pessoa

  2. Geralmente, eu deixo acumular mais tralha digital do que qualquer outra. Mas concordo com você, prefiro destralhar um pouco de cada vez, do que passar dias inteiros destralhando tudo de uma vez.

    Curtido por 1 pessoa

    • Eu acho que é mais “fácil” acumular tralhar digital porque a gente não vê, então não tem dimensão do volume. E também porque temos aquela sensação de que sempre haverá espaço, então vamos mantendo as coisa em vez de excluir o que não tem utilidade. E eu acho que passar dias inteiros no processo é cansativo e pode acabar fazendo a pessoa desistir.

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s