Hábitos Atômicos, James Clear – parte 2

Continuando o assunto do post anterior, hoje vamos concluir o resumo do conteúdo do livro Hábitos Atômicos e falar sobre as duas últimas leis desenvolvidas por James Clear em seu modelo das quatro leis da mudança de comportamento que se baseia nos quatro estágios do ciclo do hábito. 

Antes de falar sobre a 3ª e a 4ª leis, vamos relembrar a primeira parte do conteúdo do livro, apresentada no post da semana passada:

  • O ciclo do hábito é composto por quatro estágios: estímulo – desejo – resposta – recompensa. Um hábito começa por causa do estímulo, que gera um desejo representado pela motivação para agir. A resposta ao estímulo é a ação, o hábito em si, e a recompensa é o que faz com que o ciclo se repita e o hábito se consolide. Sem qualquer desses estágios, um hábito não se forma, nem os bons e nem os ruins.
  • A 1ª lei é: Torne-o claro. Ela tem relação direta com o estímulo. É sobre deixá-lo em evidência, destaca-lo, facilitando com que ele seja percebido e, por consequência, favorecendo o início do ciclo do hábito. Sua inversão, para se livrar de um mau hábito, é: torne-o invisível; se trata de esconder o estímulo, minimizando-o ou eliminando.
  • A 2 ª lei é: Torne-o atraente. Ela se refere ao desejo e fala sobre trabalhar a motivação e tornar o desejo forte o suficiente para incentivar a ação/resposta, que é o próprio hábito. Para eliminar um hábito (inversão da lei), o objetivo é torná-lo desinteressante.

Continuar lendo

Hábitos Atômicos, James Clear – parte 1

O post de hoje é mais um daqueles que eu venho compartilhar com vocês uma dica de leitura sobre produtividade, organização e assuntos similares. Para ver todos os livros sobre os quais eu já falei aqui no blog é só selecionar a categoria “Livros” ali no menu lateral (ou no final da página se você estiver no celular). E o livro de hoje é Hábitos Atômicos, de James Clear. O tema central do livro é, como o nome indica, sobre como se formam os hábitos e como eles impactam nossa vida tanto positiva quanto negativamente.

O livro é composto por 20 capítulos e dividido em 6 partes além da Conclusão e do Apêndice ao final: Fundamentos, A 1ª Lei, A 2ª Lei, A 3ª Lei, A 4ª Lei e Táticas Avançadas. A Introdução cumpre sua função aos nos apresentar a história de vida do autor rapidamente e mostrar a base do livro, que é um modelo de quatro passos de hábitos e as quatro leis de mudança de comportamento fundamentadas nesses quatro passos. O autor ressalta que tudo é construído a partir de estudos científicos das áreas de biologia, neurociências, filosofia e psicologia. Até por isso o conteúdo apresentado não é novo; lembra (e reforça) o loop do hábito apresentado por Charles Duhigg em sua obra O Poder do Hábito. Aqui temos a mesma base científica, que é complementada com novas informações e apresentada de uma forma diferente, mas mantendo a sua essência.

A parte de Fundamentos é composta por 3 capítulos e cada um deles fala um pouco sobre como os hábitos se formam. O conceito de “hábitos atômicos” é explicado, mostrando como pequenas atitudes, hábitos simples, se acumulam e resultam em mudanças significativas  a longo prazo. A ideia é que não é necessário fazer grandes mudanças e sim melhorar um pouquinho a cada dia. O problema é que esse resultado a longo prazo pode dificultar a adoção de bons hábitos, já que demoramos a ver a diferença e ao mesmo tempo favorece os maus hábitos, já que os danos também só serão visíveis a longo prazo.

Continuar lendo

O que você faz para ser mais produtivo?

No começo da semana eu fiz uma pergunta lá no stories do Instagram: o que você faz para ser mais produtivo? A ideia veio de uma conversa com uma cliente, que durante o atendimento me perguntou: qual dica de produtividade faz mais diferença no dia a dia? Falando sobre isso, expliquei o que eu sempre digo para vocês, que tudo depende da rotina e da vida de cada um; a dica que mais fará diferença é aquela que vai resolver seu maior problema ou dificuldade em termos de produtividade. 

E eu pensei em fazer um post aqui no blog reunindo algumas dicas, mas não a partir do meu ponto de vista e sim de quem acompanha o meu conteúdo, então abri a caixa de perguntas no Instagram e também perguntei para algumas clientes e antigas clientes. Achei que ficaria legal por ter uma diversidade de respostas, mostrando visões diferentes, contando como é na prática a produtividade para cada um.

Vamos ver então algumas das respostas que eu recebi e falar um pouco sobre elas.

Continuar lendo

Casa Organizada, Thais Godinho

E hoje vamos de post com mais uma das minhas leituras. Já tem bastante conteúdo por aqui com os livros que eu li sobre produtividade, organização e afins, para ver todos os textos publicados é só selecionar no Menu a categoria “Livros”. E o de hoje é o Casa Organizada, da Thais Godinho.

Quem acompanha o blog desde o começo sabe que a Thais é uma das minhas inspirações. Lá na época da faculdade, quando eu comecei a sentir necessidade de organizar melhor meu dia a dia e comecei a buscar dicas de como fazer isso, foi no blog da Thais que eu peguei as primeiras dicas e aprendi o básico sobre organização. Claro que eu acompanho o trabalho dela até hoje e sempre aprendo algo novo.

E como não poderia ser diferente, o conteúdo do livro é muito bom. É uma reunião de dicas e assuntos que ela já tratou no blog, apresentados de forma sequencial e didática e acompanhados de alguns exercícios que tanto promovem a reflexão quanto ajudam a ir colocando em prática os conceitos apresentados no livro. É uma leitura rápida, com linguagem simples e que flui muito bem.

Continuar lendo

27 sugestões de coisas para você destralhar

Mês passado eu publiquei um post aqui no blog propondo uma reflexão sobre o processo de destralhar. E eu recebi um retorno muito legal, de algumas pessoas me contando que conseguiram ter uma visão mais ampla sobre o destralhamento e até entender melhor a sua importância. E junto com esse feedback vieram também algumas perguntas de pessoas em dúvida sobre como saber o que elas deviam destralhar e o que deviam manter.

E eu achei muito curioso receber esse tipo de pergunta por que a resposta é totalmente pessoal. Cada um precisa decidir por si o que gostaria de manter consigo e o que pode desapegar, baseando-se em critérios próprios, sobre como se sente em relação as coisas, como é o uso, qual a importância, etc.

Por outro lado, eu entendo que quem se dispõe pela primeira vez a fazer esse processo, pode se sentir perdido, completamente indeciso sobre como definir o que pode ser descartado e o que vai ser mantido. Daí surgiu esse post.  

Continuar lendo