Por que eu não consigo me organizar?

Quem acompanha o blog e costuma ler os meus textos sabe que eu sempre bato na tecla de que não existe produtividade sem organização. E por isso eu já fiz vários posts aqui sobre o assunto: dicas de como organizar suas tarefas além da série que eu chamei de Manual da Organização, abordando como se organizar em vários aspectos.

Mas o fato é que muita gente sabe que precisa e quer começar a se organizar, mas não sabe como. E mais gente ainda jura que “não nasceu pra isso”, que não consegue se organizar, que já tentou e não deu certo e logo tudo ficou uma bagunça de novo. Se você se reconheceu nessas frases, então esse post é para você. Principalmente se você já leu vários posts, livros, conhece vários métodos, mas ainda assim não conseguiu colocar ordem nas coisas.

A primeira coisa que eu acho importante falar é: você sabe porque você quer se organizar? Eu acredito muito que tudo que fazemos na vida tem que ter um propósito. Senão, a gente perde a motivação. Como manter o ânimo para fazer alguma coisa se você está fazendo aquilo só por fazer? Ou só porque te disseram pra fazer? Ou só porque todo mundo está fazendo? Então, para conseguir se organizar você tem que querer. Tem que realmente estar disposto. E precisa entender que organização é algo que vai facilitar a sua vida, algo para ajudar o seu dia a dia a fluir de forma mais leve e eficiente. Organização não pode ser mais uma tarefa chata que você se sente na obrigação de cumprir. Organização é para ajudar e não atrapalhar.

Eu sei que tem gente que diz que não se importa com a bagunça e até gosta de viver no caos. E eu não estou dizendo que é errado, quem sou eu para afirmar isso. Mas pela minha experiência, pela forma como eu vivo meus dias,  organização é a chave que torna tudo mais fácil. Mas como eu disse, você tem que querer. Você precisa ter essa certeza que o processo de organizar as coisas e mantê-las assim é algo que você quer porque vai te ajudar a viver/trabalhar/estudar de forma mais eficiente. Do contrário, organização vai ser só mais uma tarefa incômoda ocupando tempo no seu dia.

E daí vem uma segunda coisa que acho importante dizer: organização não é para ser chata ou complicada. Correndo o risco de me tornar repetitiva, vou dizer de novo: organizar tem o objetivo de facilitar. Então, se você não consegue se organizar pode ser que você esteja usando um método ou uma ferramenta que não é para você, que não se adapta a sua vida e a sua rotina.

Dando um exemplo bem simples: não adianta você querer usar um bullet journal para se organizar ou uma agenda de papel tradicional para anotar seus compromissos se você odeia escrever a mão. Da mesma forma, não adianta querer usar um aplicativo se você frequentemente fica sem acesso a internet.

 

 

cadernos organizados mesaFoto de STIL em Unsplash

Eu vejo muito por aí pessoas dizendo que um dos mais famosos métodos de organização, o GTD, é muito complicado. Que é cheio de detalhes e complicações e que o método não funciona. Ora, não é bem assim, inúmeras pessoas no mundo usam o GTD e ele funciona perfeitamente. Não há nada de errado com ele. E isso também não quer dizer que existe algo errado com que não gosta do método. É tudo uma questão de adaptabilidade.  Cada um é cada um e só você sabe quais as suas necessidades no dia a dia e quais ferramentas você precisa para gerenciá-las.

Recentemente eu concluí  leitura do livro A mágica da arrumação da Marie Kondo. Esse livro é muito conhecido e muitas pessoas dizem que ele foi fundamental para que conseguissem organizar sua casa e até mesmo sua vida como um todo. O método KonMari é adorado por muitos no mundo inteiro. Entretanto, muito do que li lá não faz  sentido para mim. Isso quer dizer que o método está errado ou não funciona? Ou que eu não me dediquei suficiente a entendê-lo? Claro que não. Apenas as recomendações dele não se adaptam a minha realidade e a forma como eu vivencio a organização na minha vida.

Resumindo o que foi dito até aqui: por que eu não consigo me organizar? 1) Te falta motivação e isso está diretamente relacionado a saber se você realmente quer se organizar e porque. 2) Você não está usando um método que funcione para você, aquele que se melhor se encaixa no seu dia a dia.

Outro motivo muito comum que pode estar te impedindo de conseguir se organizar é a tão falada procrastinação. Sim, você quer realmente se organizar, escolheu um método ideal para você, mas ainda não conseguiu começar a se organizar de fato. Existem várias explicações de porque você procrastina uma tarefa e como escapar dessa situação. No caso de começar a ser organizar, o que eu vejo é que isso acontece principalmente porque não sabemos por onde começar; as vezes o caos ao nosso redor é tão grande que antes de começar já achamos que não daremos conta.

Para sair dessa condição primeiro é  preciso entender que a bagunça é resultado de um longo período de desorganização e, assim como as coisas não ficaram bagunçadas de uma hora pra outra, também não é de um dia para o outro que você conseguirá organizá-las. Eu acredito que é melhor começar a se organizar um pouquinho cada dia do que nunca organizar nada (aliás, esse é um dos pontos que eu discordo do método KonMari que eu falei lá em cima: ela acredita que toda a organização deve ser feita de uma vez e pra mim, na minha realidade, isso não funciona).

Outro ponto que pode ajudar muito é o planejamento. Tanto para organizar as coisas quanto para mantê-las organizadas. Planeje a forma como você vai realizar a organização, defina o que será organizado cada dia e se comprometa a fazer o que planejou. Mesmo que seja só fazendo uma simples lista de tudo que precisa ser organizado. Mas cuidado para não usar o planejamento também como uma forma de procrastinação: não adianta só planejar e não partir para ação. Não adianta conhecer vários métodos, ler um monte de livros e não colocar em prática o que aprendeu.

Organização é ação. Planejar tudo é ótimo, mas melhor ainda é tirar do papel e fazer. Estude e conheça todos as metodologias que quiser, mas não deixe de testá-las para ver na prática como é que funcionam. E se você não quiser usar nenhum método e preferir fazer tudo do seu jeito, tudo bem.  Faça da forma que funciona para você. O importante é te trazer resultados, não importa se é usando o método x ou y ou nenhum deles.

Eu quis fazer esse post porque eu realmente vejo muitas pessoas dizendo que não conseguem ser organizar. E não adianta muito eu trazer aqui um monte de técnicas e métodos se tem muita gente que não consegue realmente usá-los.

Eu queria muito saber: você não consegue se organizar? Qual a sua maior dificuldade? Me conta aqui nos comentários, quem sabe eu posso te dar uma dica ou talvez seu problema aconteça também com outras pessoas, e isso acaba virando um post do blog.

Até mais,

Juliana Sales

Anúncios

Como aumentar sua produtividade nos estudos e melhorar seu rendimento

Eu falo muito aqui no blog sobre ter uma vida produtiva como um todo, mas a maioria dos meus posts são voltados para produtividade e organização no trabalho, porque essa é a minha realidade. Minhas atividade diárias são predominantemente voltadas para o trabalho, apesar de estar cursando (quase concluindo) uma pós graduação, os estudos ocupam pouco tempo do meu dia, então é bem tranquilo gerenciar.

Mas eu sei que existem pessoas que acompanham aqui o blog que tem como principal ocupação os estudos, seja faculdade, cursinho pré-vestibular, preparação para concurso ou outras formas de estudo. Então, no post de hoje, é sobre isso que vamos falar: como melhorar a produtividade dos seus estudos.

Na verdade, qualquer das dicas anteriores que eu já falei aqui no blog pode ser adaptadas para alavancar o seu rendimento nos estudos. Então, minha primeira dica é dê uma olhada na imagem abaixo, que traz algumas dicas gerais de como melhorar sua produtividade em qualquer tipo de atividade.

Continuar lendo

Efeito Zeigarnik: o que é e como afeta a sua produtividade

O post de hoje é sobre um processo cognitivo estudado pela psicóloga russa Bluma Zeigarnik, de onde vem esse nome meio estranho. Apesar do nome, trata-se de um mecanismo mental extremamente simples, com o qual todos convivemos diariamente. Eu diria, inclusive, que existe uma grande possibilidade de este efeito estar agindo sobre você exatamente agora ou, ao menos, você o sentirá ao final do seu dia de trabalho/estudo.

Falando de forma simples, o efeito Zeigarnik nada mais é que aquela sensação incômoda que nos perturba quando temos alguma coisa inacabada, qualquer tarefa ou atividade. Aquele sentimento de culpa quando começamos algo e não terminamos. Vamos supor, por exemplo, que você tem um relatório para revisar. Mas, cansado e com dificuldade de focar, tirou uns minutos de descanso e veio para internet e está nesse exato momento lendo esse post. Se você é como a maioria das pessoas é bem provável que uma “voz” esteja falando na sua cabeça: “você tem que terminar a revisão do relatório”. Isso é o efeito Zeigarnik acontecendo.

Segundo os estudos de Bluma Zeigarnik, todos nós ficamos tensos quando temos algo que precisa ser feito e ainda não o fizemos. Essa tensão, essa sensação incômoda é a responsável por não nos permitir esquecer que temos alguma coisa pendente, algo que tem que ser finalizado. E esse sentimento só vai embora quando concluímos a tarefa.

Alguns estudiosos acreditam que o simples fato de planejar o que faremos para concluir a  tarefa inacabada já seria suficiente para eliminar ou ao menos minimizar o efeito Zeigarnik. Ao montar um plano, definir qual o próximo passo a ser feito para concluir a tarefa, como e quando ele será feito, proporcionamos ao cérebro a impressão de que a tarefa não está inacabada, mas estamos trabalhando nela. Estudos apontam que o planejamento pode eliminar os efeitos cognitivos dos objetivos não cumpridos.  Isso só reforça a importância do planejamento para quem quer se manter produtivo.

Continuar lendo

O Poder do Hábito, Charles Duhigg

Quero começar esse post me desculpando pelo ausência de conteúdo novo aqui no blog nos últimos dias. Aconteceram uma série de eventos, incluindo a necessidade de entregar a monografia de meu curso de pós graduação, problemas com a minha internet e mais uma gripe forte que me derrubou. Junte tudo isso e temos falta de tempo e energia para produzir conteúdo novo. Mas agora estou de volta e não pretendo que isso aconteça novamente.

Dito isso, hoje vamos falar de hábitos. Eu sempre disse aqui que produtividade não é o objetivo final e sim o caminho. Ser produtivo é conseguir fazer tudo o que queremos, precisamos e gostamos, sem nos sobrecarregar ou sem deixar de lado família, amigos e nossos hobbies. Pensando dessa forma, produtividade também pode ser entendida como atitudes que tomamos no nosso dia a dia e que nos permitem gerenciar melhor nosso tempo e nossas tarefas. E, assim como todas as nossas tarefas, podemos transformar tais atitudes em hábitos. Hábitos que tornarão mais fácil nos mantermos produtivos.

Para começar, o que são hábitos? De acordo com o dicionário, hábito é a maneira usual de se fazer alguma coisa, uma regra, um costume ou ainda um modo permanente ou frequente de se comportar. Em seu livro, O Poder do Hábito, Charles Duhigg nos aponta que o hábito é um processo mental onde o cérebro converte um sequência de ações em uma rotina automática. Isso acontece porque nosso cérebro está sempre buscando poupar esforço, tentando transformar qualquer  rotina em um hábito, uma vez que os hábitos permitem que nossa mente desacelere e o cérebro “desligue” um pouco, funcionando de certa forma no “piloto automático.

Continuar lendo

Manual da Organização: evite a sobrecarga e o caos mental

O post de hoje traz a última parte da série “Manual da organização” e o aspecto que eu acho mais difícil quando falamos sobre organizar nossa bagunça. Isso porque certamente é o fator mais complicado de se notar e também de se arrumar. Estou falando da organização mental. Sim, de tudo o que se passa aí dentro da sua mente. De ideias, pensamentos, lembranças, planos. Inclusive coisas que estão armazenadas no seu cérebro e você nem se lembra que estão lá.

Como essa série aborda mais a organização em âmbito profissional, entram aqui todas as coisas que precisam ser feitas com relação ao seu trabalho e a sua vida profissional: o que você faz no dia a dia, um projeto que você quer começar, um projeto que você precisa terminar, uma ideia que você quer testar, uma conversa que você precisa ter com seu chefe, um livro da sua área que você quer ler, uma palestra que você quer participar, alguém que você quer marcar uma reunião, uma curso que você deseja fazer para se aprimorar.

Essas são apenas algumas possibilidades. Se você tem tudo isso rondando pela sua mente e não organiza esse caos, sua vida pode ser prejudicada em muitos aspectos. Primeiro, você certamente terá maior dificuldade de se concentrar no seu trabalho diário porque você está com a “cabeça cheia”. Quanto mais coisas o nosso cérebro tem para se ocupar e se preocupar, mais difícil se manter focado em uma tarefa qualquer. Segundo, você corre o risco de perder prazos importantes (como a data de inscrição para uma palestra, por exemplo, ou a data de entrega de um projeto). Terceiro, alguma ideia realmente relevante pode se perder. Talvez aquela ideia que você queria discutir com o seu chefe poderia ser a chave para a sua promoção. Mas você acabou se esquecendo e deixando pra lá. Talvez aquele curso seria a solução para resolver um problema que você vem tendo no seu trabalho, mas agora não dá mais para fazê-lo porque as inscrições estão encerradas.

Enfim, não precisa ir muito longe para perceber, que a bagunça mental é tão prejudicial quanto as demais forma de desorganização que nós falamos por aqui.

Mas vamos então ao mais importante: como resolver isso? Como organizar esse monte de pensamentos e informações?

Continuar lendo